O Guia dos Nerds das Galáxias: As Estrelas

Fala pessoal! Mais um mês para as férias e todos loucos por uma praia ou uma cachoeira - ou ficar no ócio em casa, morgando e engordando na frente da TV e do PC. Para passar o tempo, resolvi falar de um assunto que me interessa bem e que estou usando muito no meu TCC. Assim como quem curte The Big Bang Theory e outros milhões de nerds e estudiosos que provavelmente estão cansados de saber, nem todo mundo conhece ou sabe de tudo. Darei início a uma série sobre curiosidades astronômicas, começando pelas estrelas! "O espaço, a fronteira final... estas são as viagens da nave estelar Enterprise, em sua missão de cinco anos para a exploração de novos mundos, para pesquisar novas vidas, novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve!" - Star Trek Todos conhecem essa famosa frase, correto? Bem, a fronteira final, próxima conquista da humanidade! Mas para desbravarmos o espaço, precisamos ter um pouco de conhecimento sobre ele - mesmo que a gente nem chegue perto entrar numa nave espacial! E acho justo começar sobre o grande astro que ilumina nosso dia! Só para começar, vamos ver se alguém sabe a diferença entre astrofísica e astronomia. Alguém? Vamos lá, sem Google ou Wikipedia, pessoal! A astronomia é a ciência que estuda o espaço no geral, desde cálculos matemáticas, químicos, observação de astros e muitos outros. A Astrofísica é um campo especializado da astronomia que estuda a física do espaço. Qual é o maior símbolo astronômico da humanidade? É o Sol! Tido como Deus em várias culturas, é uma bola gigante de hidrogênio, hélio e alguns metais. mas você sabem qual é a cor do Sol, propriamente dita? Amarelo? Quem disse amarelo, aaaaaaaaaaaaaaa.... ERROU! O Sol é uma estrela praticamente branca com um leve tom amarelado. Quer conferir? Olhe diretamente para ele, ao meio dia. Demora em torno de 5 segundos para a visão acostumar - e óbvio, dói. Mas a dor logo passa - o problema é enxergar mal pelos próximos 15 minutos, tamanha luz que entra na sua retina. O Sol é uma estrela de categoria G2V. Não, não vai de A a Z. Vai de O, B, A, F, G, K e M. A forma mais fácil de aprender essa classificação estrelar é fingir que é uma sigla para "oh be a fine girl, kiss me", ou seja, "seja uma boa garota, me beije". Caso esteja se perguntando, O são estrelas azuis, B as azuis brancas, A são brancas, F brancas amareladas, G brancas pouco mais amareladas, K amarelo laranja e M laranja avermelhado (comumente conhecidas como vermelhas). O são mais quentes e M são mais frias. As O emitem todos os espectros, principalmente ultravioleta e infravermelho. As estrelas M em sua maioria emitem muito pouco das outras cores e mais vermelho que tudo. O gráfco que se segue, conhecido como Diagrama HR, é um modo fácil de compreender a comparação entre luminosidade e temperatura - e conhecer os tipos de estrelas. Cliquem na imagem para ampliar. Há a teoria do corpo negro, criado por Gustav Kirchhoff em 1860, que diz que é um corpo que absorve toda a radiação emitida até ele. Max Planck criou um gráfico explicando essa teoria, que pode ser usado para compreender um pouco mais sobre as estrelas e suas categorias. No gráfico abaixo, supõe-se que a primeira curva seja uma estrela azul, do tipo O. A última curva, seria do tipo M. Compreendem agora a emissão de luz de casa estrela? E todos falam "Ah, descobriram o planeta Xasthur, ele é composto basicamente de meleca e corn flakes e fica a trocentos zilhões de quilômetros da Terra!". Mas como sabem do que um planeta é feito? Por acaso mandaram um astronauta lá? Chegou uma sonda? Ou alguém tem uma nave que anda a "dobra 5" ou pagaram o pedágio do buraco de minhoca que leva até lá? Nada disso. É simples! Existe uma espécie de filtro que detecta os elementos pela luz. Cada componente químico que conhecemos na nossa magnífica tabela periódica emite a própria radiação cromática. Esse filtro simplesmente percebe pela cor da luz refletida do planeta (ou emitida pela estrela) quais os elementos que ali existem, com quase 100% de acerto - até que alguém vá ao planeta e tire a prova, o que vai demorar um bocado. Ah, sim, claro. Quanto aos tamanhos. Pode-se comparar que o Sol seja um buraco de agulha com estrelas que seriam do tamanho ou maiores que uma bola de praia (um pouco maiores que a bola do Quico, do Chaves). E sobre os Quasar? Vem de quasi-star, ou seja, quase estrela. Maiores que estrelas mas menores do que galáxias - dizem que a maioria dos centros das galáxias são formados de quasares, ou por buracos negros. Bem, é isso! Fiquem imaginando o pessoal na praia, em pleno verão, sob o a luz de uma estrela do tipo O. Torradas?
Ir para o topo