Impressões – Reviravolta

Oi, tudo bem? Há pouco mais de uma semana, um hotel em Florianópolis recebia estudantes e profissionais do sul do Brasil (mas tinha gente de fora do Sul também) para o oitavo Encontro Regional Sul dos Estudantes de Design, mais conhecido como Reviravolta :)

Disclaimer: Assim como no post que escrevi sobre o RDesign Ceará, as opiniões que expressarei neste texto refletem unicamente meu ponto de vista sobre o evento, tomando por base edições anteriores do RDesign. Ok, moçada?

O Reviravolta retorna ao seu berço, sete anos depois da primeira edição do Encontro, com a proposta de trabalhar com os sentidos, em busca de novas sensações e possibilidades, gerando alternativas e reflexões acerca do mundo. Se pra você ficou confuso a Reviravolta, vamos explicar melhor.

Atividades – como o tema do evento girava em torno dos cinco sentidos, a comissão organizadora procurou adequar sua oferta de atividades à proposta. Desenvolveram atividades como as intervenções e os laboratórios sensoriais, com o objetivo claro de experimentar e contemplar sensações. As oficinas também faziam ligação com o clima do evento. Até mesmo as festas trabalharam em cima desse tema, como a primeira festa, que foi literalmente às cegas (opa!).

É poca zuera?

Estrutura – a estrutura proporcionada pela CORDe, junto com a parceira feita com o Hotel Canto da Ilha ajudou a montar um ambiente fácil de se trabalhar, onde tudo era perto (todo o evento aconteceu dentro do hotel, até o alojamento e as festas). Isso também permitiu a criar um ambiente mais intimista entre os encontristas, veteranos ou não, dentro do Reviravolta. O Tibut, local que funcionava dentro do alojamento como área de lazer, contribuiu e muito para reunir os amigos e discutir a vida, o universo e tudo mais.

Público – provavelmente foi o que mais me surpreendeu positivamente no Reviravolta. Poucos eventos foram tão presenteados com encontristas felizes e animados, que mesmo que não participavam das atividades regulares, criavam novos meios de se interagirem, atraindo mais pessoas para dentro do Encontro.

Em linhas gerais, um evento que corria risco de ser esvaziado acabou integrando várias pessoas, das mais formas variadas possíveis durante quatro dias. Isso é que faz de um evento um sucesso!

Ir para o topo