HANDS ON: Dingoo e eu, um caso de amor

Olá, povo, hoje venho pra falar pra vocês dessa maravilha da tecnologia para os retrogamers chamada Dingoo. “Quem?”, você pergunta. Calma, já vou explicar tudinho. Deixando claro, desde o começo, que esse post é a visão de uma leiga sobre o assunto, não vou me aprofundar muito a respeito de configurações de hard e software, logo eu digo onde vocês podem encontrar informações mais completas.

Tudo começou em algum dia aleatório do ano passado, quando soube da existência de um MPqualquercoisa da Dynacom capaz de emular jogos de NES, SNES, por aí. Foi meu sonho de consumo durante alguns meses, IMAGINE eu poder jogar meu amado Mario em qualquer lugar?

Enrolei, enrolei e não consegui comprar. Eis que um amigo meu (beijo, Fabio) me fala do Dingoo, dei uma pesquisada e vi que ele era capaz de um bocado de coisa. Além de rodar música, vídeo, rádio, essas coisas que todo portátil faz, ele possui emuladores de: Game Boy, Game Boy Color, Game Boy Advanced, Super Nintendo, Nintendo, Atari 7800, Atari Lynx, Odyssey, PC Engine, Neo Geo, Capcom Arcade, Mega Drive, JungleTac e Dingoo (jogos feitos especialmente pra ele), ufa! Dá ou não dá pra ser feliz lembrando da sua infância?

“Parece legal, Daniela, onde comprar a parada?”. Eu adquiri o meu no site do Ponto Frio, volta e meia ele está em promoção lá, e curiosamente o Dingoo preto tem diferença de preço pro Dingoo branco (ora um está mais barato, ora outro). Tem também nos sites das Casas Bahia e do Walmart. Mas você também consegue comprar de boas almas do Mercado Livre que importam pro Brasil (os das lojas é distribuído pela Dynacom). Faça o que mandar seu coração seu bolso, geralmente o importado da China é mais barato do que o vendido nas lojas, boa sorte.

A caixa contém:

1) um manual simplificado (o completo está na memória do aparelho, em PDF. O Dingoo não reproduz esse formato, logo, ele só é acessível ao conectar no computador); 2) telefones da assistência técnica; 3) cabo de áudio e vídeo, pra conexão com a TV; 4) fones de ouvido in-ear (não sei se eu tava acostumada com os fones de camelô ou o quê, mas os achei a 8ª maravilha do mundo :~~); 5) carregador (você conecta o cabo USB nele, pra carregar longe do PC); 6) cabo USB; 7) saquinho de sílica, que não sei se realmente funciona mas acho bonitinho. :B Tem também um par extra de “capinhas” pro fone que me recuso a acreditar que perdi ou joguei fora por engano são tímidas e não quiseram aparecer na foto. Muito útil pra quando o fone fica nojento além do limite do aceitável.

Quando meu Dingoo chegou, a primeira providência que tomei foi colocar jogos nele, CLARO. Só joguei genéricos de NES quando era criança, SNES fui conhecer depois de grande. Nunca fui uma hard gamer, mas fiquei bem animada com a hipótese, de quem sabe, zerar um jogo um dia. É, gente, eu nunca zerei um jogo. Nem Super Mario Bros. Nem começando do mundo 8. Eu sei o que vocês estão pensando. Façam coro. Bom, agora que já revelei esse detalhe vergonhoso do meu passado, continuemos. Testei os emuladores de NES, SNES e GBA por enquanto, e todos estão ok, os jogos rodam bem, não travam, essas coisas. O emulador de Game Boy achei meio estranho, aparentemente ele não abre o menu para salvar o jogo, opções de volume, etc, que abre nos outros emuladores. Mas como testei uma vez, não sei se o emulador é assim mesmo ou se a ROM que eu peguei tava bichada. Só os jogos 3D que vem instalados nele são meio problemáticos, duas vezes que joguei travou tudo e tive que resetar.

Agora falemos dos “extras” deles, digamos assim, porque é notório que quem o compra o faz com a principal intenção de jogar. Roda MP3 (e outros formatos de áudio adjacentes), nada de muito extraordinário. Lê e-books em formato .txt, mas não testei, então não posso avaliar. Sintoniza rádio FM, e eu diria que sintoniza muito bem, porque pega em lugares inóspitos, tipo alguns setores da empresa onde trabalho, que meu MP3 player da era paleozoica só detecta chiados. Roda vídeos também, daqueles formatos mais conhecidos, mas o mais fantástico é que ele roda RMVB LEGENDADO, o que pra fãs de seriados preguiçosos que nem eu é ótimo. Eu tinha receio que a legenda ficasse muito minúscula na tela de 2,8”, mas é perfeitamente legível. O que significa que vou poder andar pra lá e pra cá com meu amado Comandante William Riker.

Pra quem quer uma visão mais aprofundada do assunto, recomendo esse post do pessoal do Museum dos Games, blog especializado em retrogames pra não dizer velharias, hahahaha. Pra quem quiser saber um pouco mais tem também o fórum do Dingoo, o pessoal é gente fina, ajudou uma pobre iniciante que nem eu sem me zoar. :D

Então, se você quer jogar uns joguinhos sem compromisso, não tem grana pra um DS e não faz questão dos gráficos do PSP, o Dingoo A320 (é esse o nome completo dele) é uma excelente opção. Agora licença que vou ali tentar matar aquele dragão dos infernos no Chrono Trigger (disseram que eu tinha que estar lvl 12 pra passar dele, não tive paciência de esperar e estou lvl 9, ffffuuu), beijos.

O Dingoo merece cinco cogumelos de recomendação:

Ir para o topo