Fora de Circuito: Red State

Superficialmente, Red State conta a história de três amigos adolescentes de alguma cidade do interior dos Estados Unidos que, em busca de uma noite de sexo, pegam a estrada no fim de semana ao encontro de uma desconhecida internauta disposta a fazer tudo.

Porém, o encontro não passa de uma armadilha criada por um grupo cristão fundamentalista para capturar fornicadores e conduzi-los ao inferno que merecem. Podemos ter uma ideia do que irá acontecer durante o filme: alguém será morto e os que sobreviverem escaparão, mas não sem antes serem caçados como animais pelo grupo de fanáticos.

Concordam que tudo é bem previsível? No entanto a história tem um rumo diferente e totalmente surpreendente, capaz de deixá-lo confuso e irritado, por conseguinte julgando-o ruim antes mesmo do fim. A impressão negativa é causada pela falta da relação entre a expectativa e o que acontece de fato.

O verdadeiro objetivo do filme é criticar o governo americano, representado pela ATF(Bureau of Alcohol, Tobaco, Firearms and Explosives), uma espécie de agência de investigação do governo que trata de casos relacionados a álcool, tabaco e armas de fogo/explosivos. A agência tem papel fundamental na construção da crítica principal do filme: o fascismo do governo americano diante de minorias as quais jugam fascistas.

Vou contar aqui uma parte do filme que merece destaque pela confusão que criou na minha cabeça, então quem não quiser estragar o filme para si, não leia. Bem para o final do filme, depois de uma longa troca de tiros entre os fundamentalistas e a ATF, surge um som de trombetas aparentemente vindo do céu.

Os fundamentalista baixam as armas e vão ao encontro dos agentes da ATF, afirmando que o som, quatro toque de trombetas, era o sinal da chegada do apocalipse e que todos os impuros iriam pro inferno. Já confuso com todas as minhas expectativas quebradas pensei, “Só me falta descerem anjos do céu e acabarem com os agentes, PQP”. Se você quiser saber sobre as trombetas, assista ao filme.

Ir para o topo