Design & Doce de Leite: Sex Geek Toys

¡Hola mis amigos! Eu sou a Lívia (mais conhecida como Livy), moro em Belo Horizonte e estou fazendo o ultimo período de Design de Produto na Uemg (Universidade do Estado de Minas Gerais, explicando o titulo da coluna).

Para minha surpresa e felicidade o N Imersão foi muito mais que um encontro de estudantes, me rendeu grandes amigos espalhados pelo Brasil e um convite para aqui escrever sobre este assunto que há quase 4 anos estudo, mas sinto que ainda não sei nada. (O que não se ganha distribuindo 1,6kg de doce de leite de Minas...)

Engraçado isso, uma visão que acredito não ser somente minha (inclusive por já ter ouvido isso de outras pessoas) é que quando observo a atividade do Designer de Produto em um quadro geral, sinto que nunca vou chegar lá, que nada sei. Mas ao fazer parte disso, precisar me planejar, colocar no papel todas as etapas de um projeto, e começar o desenvolvimento de um produto, começo a perceber que sei muito mais do que aquilo que me foi ensinado nesses 3 anos e 7 meses. Acredito que isso é resultado da própria natureza do Design, a grande variedade de setores a serem trabalhados e as diversas habilidades que precisamos aprender para conseguir executar fases tão diferentes dentro do projeto de um único produto.

Hoje trabalho com eletro-eletrônicos, ao mesmo tempo estou pretendendo levar a sério uma optativa sobre design de jóias. Com tanta variedade de temas, logo que fui convidada para escrever passei quase 3 semanas pensando em qual seria a melhor forma de iniciar esse assunto.

Como já escrevi muito na minha apresentação e introdução, não quero que você, querido leitor, sinta que está perdendo seu tempo! Chega de preliminares, vamos direto ao que é bom.

Nerds e Sexo. Duas palavras que muitas vezes as pessoas não acreditam que podem estar juntas na mesma frase.

Tão grande é a descrença nessa combinação, que ao procurar produtos sexuais voltados para esse público eu fiquei incrivelmente frustrada. Provas de que este conceito não diz respeito à realidade, são pesquisas como a realizada pelo site PS3PriceCompare.co.uk que mostrou que pessoas que trabalho no setor de tecnologia são menos egoístas na cama, ao contrário dos que trabalham na indústria do fitness, assim como 8 entre 10 profissionais da tecnologia alegam que os sex toys tem um papel importante nas relações, enquanto somente 3 a cada 10 da turma do fitness afirma usar regularmente.

Se é assim, porque então eu consigo achar roupas, relógios, formas de gelo, acessórios de banheiro e escritório [etc], e não consigo achar um brinquedo sexual nerd?! Garimpando pela internet encontrei alguns produtos que podem ser bem enquadrados no mercado dos nerds:

Começando de um bem... errr... kitsch (?), o já bastante conhecido vibrador da Hello Kitty, que na verdade não é vendido como vibrador, e sim como um massageador de ombro (aham Cláudia... sei que ele é realmente só um massageador).

Os ecochatos já podem ser felizes com seu toy que funciona com energia solar, e tem o controle em forma de flor.

Já essa coisinha bonita é para os fãs de tecnologia: esquenta, esfria, lubrifica e gira através de dispositivos de computador.

Já este (bem famoso também) é algo a ser pensado, entra na categoria nerd de forma bem inteligente. O OhMiBod vibra no ritmo da música (e aproveita a bateria) do seu iPod, o volume da música corresponde à intensidade da vibração.

De todos que encontrei, o que realmente demonstra o espírito nerd é o Trance Vibrator. Ele emula as vibrações do PS2... perfeito! Fica o ser nerd jogando e sua querida parceira se divertindo “vendo” ele jogar.

Este, queridos amigos, é o meu preferido. Ele vibra, é a prova d’água e é um pato! Não é lá tão nerd assim, mas ganhou meu coração desde que vi pela primeira vez, 1 ano atrás fazendo um trabalho sobre sex toys. Tem a versão tradicional, pirata, Paris rosa ou preta e capetinha, mas se for escolher alguma para me dar de presente eu prefiro a Sadô-masô.

Por fim algumas informações curiosas: existe um aplicativo que transforma seu BlackBerry em vibrador, o BlackBerry Vibe 101, que possibilita o controle de intensidade e modo de vibração, já ouvi dizer que existe um semelhante para o iPhone também. Outra informação é uma pesquisa que foi feita pelo site OKCupid que alega que os usuários de iPhone fazem mais sexo que os de BlackBerry e Android. Mas estes assustos eu deixo para os Apple-maníacos defenderem melhor!

ps: E por fim, preciso agradecer ao Sr. Renam Penante que fez esse banner lindo e fofo para mim! Muah.

Ir para o topo